Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

Elementais

Imagem retirada da internet

"Além das Hierarquias Criadoras e das quatro ondas de vida que evoluem presentemente no Mundo Físico, por meio dos reinos mineral, vegetal, animal e humano, há também outros seres em evolução.

É o caso de espíritos subhumanos, chamados elementais.

Acontece por vezes que um elemental se apossa de um corpo-de-pecado de algum elemento de um povo atrasado. Quando renasce, o espírito que deu origem a esse corpo-de-pecado une-se, por uma atracção natural, a tal corpo.

Devido à presença do elemental, o indivíduo torna-se diferente dos retantes membros da sua comunidade, como se tivesse uma inteligência extra. Actua muitas vezes como curandeiro ou desenvolve ocupações semelhantes

Ora, os elementais que animam corpos-de-pecado também podem agir como obsessores de médiuns. Se obtêm o domínio do médium durante a vida, expulsam-no, depois da morte, dos veículos que contêm o registo da vida que findou.

O espírito pode, por isso, atrasar a sua evolução durante um tempo incalculável.

Vemos assim que, apesar da aparente inexistência de consequências negativas decorrentes da prática da mediunidade, existe o perigo sempre iminente de, após a morte, redundar na situação descrita.

O espiritismo já prestou ao mundo o serviço que lhe estava destinado. Foi provavelmente a forma mais activa para enfrentar e conter o materialismo da ciência.

Trouxe consolo a milhares de almas sofredoras que choravam a perda de familiares. E conseguiu também que muitos cépticos admitissem uma existência superior.

Não temos a mínima intenção de depreciar o trabalho dos seus militantes.

Não podemos no entanto, silenciar a nossa advertência aos seus praticantes, por considerarmos um dever alertar para os perigos em que se encontra quem permite ser controlado por espíritos que não podem ver e dos quais nada sabem. "

Max Heindel - in The Web of Destiny

 

publicado por individual às 11:34
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

O que ando a ler

 

Em busca da Realidade Divina

A ciência como fonte de inspiração

Autor - Lothar Schäfer

Editora Ésquilo

 

Tendo inicialmente uma abordagem bastante teórica e com uma linguagem um pouco hermética, o livro inicia na terceira parte uma tentativa de ligação ciência / espiritualidade que embora cautelosa me parece bastante bem conseguida.

Vou ainda a meio do livro e portanto ainda sem conclusões, mas o que gostaria de realçar é a forma como o assunto vai sendo explorado, tendo sempre como suporte os desenvolvimentos da ciência actual e a exposição das situações não resolvidas ou não explicáveis. 

O próximo capítulo (a evolução a partir da realidade quântica), mas principalmente a quarta parte (A Realidade Divina) prometem, principalmente se forem mantidos os padrões de rigor científico presentes nos capítulos que já li.

O livro conta ainda com um conjunto significativo de apêndices (18) onde diversas matérias mais técnicas são explicitadas aos não conhecedores.

Espero no final do livro conseguir fazer a ponte entre o que de mais actual se conseguiu em ciência e os ensinamentos de Max Heindel, nomeadamente, o Conceito Rosacruz do Cosmos, apresentado ao mundo em 1919.

publicado por individual às 15:32
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

Mundos visíveis e invisíveis

Imagem retirada da internet

 

No ocultismo, o primeiro passo consiste no estudo dos mundos invisíveis. Estes mundos são invisíveis para a maioria das pessoas, porque estão adormecidos os sentidos subtis e elevados que poderiam servir-lhes de meios de percepção. Esses sentidos subtis permitirão observar aqueles mundos, tal como percebemos o mundo físico por meios dos sentidos físicos.
Em relação aos mundos suprafísicos a maioria das pessoas encontra-se em circunstâncias análogas às de um cego de nascença neste mundo dos sentidos: embora esteja envolvido pela luz e pela cor, não é capaz de as perceber. Para ele não existem e são incompreensíveis, porque lhe falta o sentido da vista. Os objectos que pode tocar parecem-lhe reais, mas a luz e a cor estão fora do seu alcance.
 
Assim acontece com a maior parte da humanidade. Sente e vê os objectos, ouve os sons do mundo físico, mas os outros planos a que o clarividente chama mundos superiores, são-lhe tão incompreensíveis como a luz e a cor para os cegos.
Que o homem cego não possa ver nem a luz nem a cor não é argumento contra a sua existência e realidade. Tão-pouco tem valor de argumento dizer que não é possível ver os mundos suprafísicos só porque a maioria da humanidade não os pode ver. Se o cego recuperar a vista, verá luz e cor. Se os sentidos superiores dos que actualmente estão cegos para os mundos suprafísicos forem despertados por meios apropriados, também eles poderão ver esses mundos.
 
Conceito Rosacruz do Cosmos (pág. 23) – Max Heindel
 
Gostaria apenas de acrescentar que tal como aconteceria com o cego se de repente adquirisse o sentido da visão, teria grandes dificuldades no início, até que soubesse utilizar devidamente esse sentido, também a clarividência exige um período de adaptação que o ocultista deverá cuidar atentamente, para não ser enganado na percepção dos mundos suprafísicos.
publicado por individual às 15:55
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

O princípio

 

Imagem retirada da internet

 

 

Apenas uma coisa o mundo necessita conhecer;
Apenas um bálsamo existe para curar toda a humana dor;
Apenas um caminho há que nos conduz acima, aos céus;
Este caminho é: a COMPAIXÂO e o AMOR.
Max Heindel
 
 
 
Hoje, 9 de Fevereiro de 2009, eclipse da Lua, decidi iniciar o meu blog.
Que ele possa ser útil para todos aqueles que por aqui passem é o meu propósito.
 
Iniciei com uma citação de Max Heindel (1865-1919), cujos escritos tanto têm influenciado a minha vida nestes últimos anos.
 
 
 
Transcrevo ainda algumas frases das cartas Rosacruzes do sec XVIII, atribuídas a Karl Eckartshausen (1752-1813):
- É inútil meditar sobre questões místicas que estão além do nosso horizonte mental. É inútil tentar penetrar nos mistérios espirituais antes de nos espiritualizarmos. O conhecimento prático supõe prática e só pode ser adquirido pela prática;
- O grande erro da nossa época intelectual é crerem os homens que podem chegar ao conhecimento da verdade por meras especulações intelectuais, cientificas, filosóficas ou teológicas, isto é, tão só pelo raciocínio… o poder não se obtém por simples especulação mas pela prática;
- Nenhum tribunal de cegos pode falar sobre a existência ou não existência da luz e, não obstante, ela existe. Podemos dar aos cegos alguma ideia sobre a Luz mas não podemos provar-lhes cientificamente enquanto permanecerem cegos à razão e à lógica;
- tudo o que chamamos bom ou mau, verdadeiro ou falso, útil ou inútil, tem um sentido relativo.

 

música: variações piano - mozart
sinto-me:
publicado por individual às 14:29
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30
31


.posts recentes

. Elementais

. O que ando a ler

. Mundos visíveis e invisív...

. O princípio

.arquivos

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub